setPostViews(get_the_ID());

Ferramentas

Navegue pelo oceano azul!

Navegue pelo oceano azul!

“A melhor maneira de se combater a concorrência é por parar de tentar combater a concorrência”. Esta frase resume tudo o que a Estratégia do Oceano Azul propõe: a criação de um mercado sem concorrência, onde seu produto ou serviço é único e inovador.

Será que esta estratégia pode ser de ajuda para um jovem? Por que navegar no “oceano azul” pode determinar o sucesso de uma empresa ou projeto? Como eu posso pensar de forma inovadora? Conheça mais sobre este conceito tão importante para aqueles que querem ser empreendedores!

 

Afinal, o que é a estratégia do oceano azul?

 

Criada por W. Chan Kim e Renée Mauborgne, esta abordagem possui a premissa de que a competição causada pelas indústrias nada mais é do que um sangrento oceano vermelho de rivais lutando por lucros em um pequeno espaço de mercado. Em contrapartida, a Estratégia do Oceano Azul visa fornecer uma abordagem sistemática para tornar a concorrência irrelevante. Como assim?

Basicamente, este conceito busca a diferenciação e baixo custo.  Ao contrário do oceano vermelho, onde há uma intensa disputa de mercado (e muitas vezes saturação de concorrência), o oceano azul visa alinhar inovação com utilidade, preço e ganhos de custo.

Um exemplo deste fenômeno foi o lançamento do iPad, em 2010. Apesar do conceito de tablet surgir nos anos 1960, até o lançamento do dispositivo da Apple ainda não haviam exemplares realmente funcionais e prontos para a comercialização. Enxergando o potencial do aparelho e a inexistência deste tipo de produto no mercado, Steve Jobs investiu na ideia e revolucionou o mundo por meio da inovação apresentada. Assim como o iPhone, o lançamento do iPad mudou o paradigma do mercado, passando a concorrência para trás e demonstrando como utilizar da estratégia pode trazer soluções que mudem o modo como enxergamos o mundo.

 

E como a estratégia do oceano azul pode me ajudar?

 

A competitividade e as constantes mudanças que ocorrem no mercado requerem profissionais capazes de se reinventar e criar coisas novas constantemente. Possuir as ferramentas e conhecimentos baseados na Estratégia do Oceano Azul faz toda a diferença na estratégia de um negócio, visto que quanto menor a concorrência e maior o valor percebido pelos clientes, a probabilidade de um produto ou serviço dar certo aumenta consideravelmente.

Destacando a importância deste conceito para os jovens, Léo Fontana, facilitador da Quíron Educação, aponta que o Oceano Azul pode auxiliar na maneira que o jovem enxerga o mundo, de forma que consiga pensar “fora da caixa” e criar algo inovador. Ele comenta: “O jovem consome informação mais do que nunca e de coisas de diferentes universos. A estratégia do oceano azul [o] ajuda a perceber que essa diversidade é boa, pois ideias de segmentos diversos podem ser combinadas para criar algo único”.

 

Como realizar esta estratégia?

 

Diversas técnicas podem ser utilizadas para criar algo inovador. Confira abaixo algumas ferramentas e abordagens que são de grande ajuda para desenvolver produtos e serviços inovadores.

Design Thinking

O Design Thinking é uma abordagem de inovação centrada no modo do ser humano pensar. Representa uma solução interessante em relação aos modelos tradicionais de planejamento, como o ciclo PDCA, por exemplo. Ela pode ser abordada de diversas formas, mas vamos separar este modelo em três pilares: Empatia, colaboração e experimentação.

A etapa de empatia envolve a habilidade de entender os sentimentos ou reações dos clientes finais por se colocar nas mesmas circunstâncias as quais estes se encontram. Isto envolve reconhecer as dificuldades, ansiedades e verdadeiras necessidades dos outros. Para isso, podem ser empregadas técnicas como entrevistas, enquetes ou até mesmo a observação direta/indireta com o objetivo de avaliar o comportamento do usuário final do produto ou serviço que você está querendo desenvolver.

O segundo pilar é a colaboração, fase em que ocorre o trabalho em grupo com o objetivo de atingir certo resultado ou participar coletivamente de atividades.

Por fim, a experimentação procura levantar observações e experiências em diferentes circunstâncias. Para tanto, testes A/B, observações e questionários são muito úteis para verificar a efetividade da solução proposta.

 

Saiba mais:

Gostaria de aprender na prática o Design Thinking? Conheça nossos cursos para jovens.

 

Matriz QFD – Casa da Qualidade

Este modelo de qualidade que surgiu no Japão na década de 70, possui o objetivo de garantir a qualidade dos produtos e serviços de acordo com os desejos dos clientes. Visto que o processo de inovação em uma empresa pode representar custos significativos para o negócio, gerenciar as etapas de desenvolvimento de um produto possibilita uma economia de tempo e recursos.

Um dos pontos principais desta matriz é identificar as reais necessidades dos clientes, afinal, no mundo competitivo que vivemos, algo inovador que não passa um valor para o cliente não passa de apenas uma boa ideia. Além disso, para o desenvolvimento de um produto/serviço são avaliados “como” e “quanto” isso será realizado.

As vantagens deste modelo são o foco nas necessidades do consumidor, bem como a facilidade de visualização da informação apresentada. Além disso, possibilita uma melhor compreensão do tempo e custos necessários para a conclusão do projeto.

Brainstorming

Você já se deparou com um “bloqueio criativo”? Então o brainstorming é uma excelente técnica para deixar as ideias fluírem! A premissa do brainstorm é gerar o maior número de ideias, sem o pré-julgamento dos participantes. Literalmente, um grupo de pessoas se reúne e começam a propor soluções para um determinado tema ou ideias para um determinado contexto.

A primeira fase do brainstorm é justamente coletar todas as ideias apresentadas. Isto pode ser feito por meio de anotações em post-its, ao escrever em uma lousa ou por utilizar softwares específicos para esta atividade. Lembre-se que é muito importante não julgar uma ideia apresentada, pois isto pode desestimular a participação dos envolvidos!

Após reunir as ideias, hora de filtrar! É muito importante definir quais ideias são realmente relevantes para o problema proposto – esta é a hora de seu lado crítico aparecer. Verifique se você ou sua equipe possuem as competências necessárias para concluir a solução proposta. Ainda, analise se a ideia é viável financeiramente ou se é possível realizá-la no tempo previsto.

 

Aprenda na prática!

 

Viu como a Estratégia do Oceano Azul é super útil? Muitos empreendedores a utilizam como forma de obter vantagem competitiva e criar produtos e serviços inovadores.

E você? Já pensou em criar projetos inovadores que buscar impactar a vida das pessoas de forma positiva? Então conheça nossos cursos de protagonismo voltados para jovens de 14 a 24 anos. Por meio de conceitos e ferramentas como o Oceano Azul, além do Design Thinking, CANVAS, gerenciamento de finanças pessoais, empatia, dentre outros, procuramos despertar o verdadeiro potencial de nossos alunos, de forma que possam ajudar a mudar o mundo aos poucos por meio do protagonismo.

 

Referências

 

INVESTOPEDIA. Blue ocean. Disponível em: <http://www.investopedia.com/terms/b/blue_ocean.asp>. Acesso em: 29 jun. 2017.

BLUE OCEAN STRATEGY. What is Blue Ocean Strategy? Disponível em: <https://pt.blueoceanstrategy.com/what-is-blue-ocean-strategy/>. Acesso em: 29 jun. 2017.

FERREIRA, F. K. et al. New mindset in scientific method in the health field: Design Thinking. Clinics, São Paulo, v. 70, n. 12, p. 770-772, 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/clin/v70n12/1807-5932-clin-70-12-770.pdf>. Acesso em: 05 jul. 2017.

MARTINS, R. Desdobramento da função qualidade. Blog da Qualidade, 17 ago, 2012. Disponível em:<http://www.blogdaqualidade.com.br/desdobramento-da-funcao-qualidade-qfd/>. Acesso em: 05 jul. 2017.

Gostou? Curta, compartilhe e comente!