setPostViews(get_the_ID());

Protagonismo

“Eu não sabia o que iria fazer da vida”

“Eu não sabia o que iria fazer da vida”

Muitos alunos já passaram pela Quíron (já são quase dois mil!). Cada um possui sua história de luta, desafios e realizações. E para que você conheça um pouco mais do nosso trabalho e quais impactos causamos em nossos alunos, convidamos alguns jovens que realizaram nossas formações para conferir como eles buscam ser protagonistas em seus respectivos contextos.

Hoje, com o propósito de inspirar os jovens e ilustrar a importância do protagonismo, conversamos com nossa ex-aluna Maria Vitória Abreu de Oliveira. Formada em 2013 na formação Jovens Protagonistas e hoje trabalhando em um hospital, ela nos relatou a sua experiência como aluna Quíron e quais foram os impactos notados após a conclusão da formação.

 

Porque escolheu a Quíron

 

Ela conta que o motivo de ter se inscrito na formação Jovens Protagonistas era apenas para colocar a certificação em seu currículo, com o objetivo de ajudar na busca por um emprego. Porém, ao iniciar o curso, percebeu que havia algo a mais na Quíron: “O que eu mais gostava era que tudo era muito dinâmico, não eram só slides. Eu tinha muita oportunidade para falar […] Os temas eram muito livres”. Ela continua: “As aulas de negociação e formação de líderes foram particularmente interessantes e, hoje, acabo usando tudo o que aprendi”.

Impactos

 

Como jovem protagonista, Maria reconhece que os desafios são importantes para seu desenvolvimento pessoal: “Tem uma frase da apostila que eu acabei adotando na vida. É de Marxwell Maltz e diz assim: ‘A vida está cheia de desafios que, se aproveitados de forma criativa, transformam-se em oportunidades’”.

Nossa ex-aluna explica os benefícios que ela teve a partir dos conceitos e ferramentas abordados em nossa metodologia: “A Quíron me ensinou muito em questão de postura, idealização e ousadia, tudo o que passaram em aula acabou se mostrando muito importante. Ainda guardo a apostila, e sempre que posso, dou uma olhadinha”. Ela comenta: “Eu tinha muito problema com o público. […] Depois de ter entrado na Quíron, hoje eu consigo falar em público”. Além disso, cita que a principal técnica que a ajuda é o Brainstorm: “acabo usando tanto no trabalho quanto em projetos que estou desenvolvendo por conta própria, pois penso em abrir uma loja”.

Ela também aponta outros impactos positivos da Quíron em sua vida profissional: “Além da iniciativa, da persistência, e do ‘pensar fora da caixa’, acabei levando muitas lições e ferramentas que acabaram se tornando úteis nos meus projetos pessoais e na vida profissional. Dentro do hospital, acabei usando dicas de como ter foco e visão diferenciada quando se trata e resolver problemas, tentando sempre manter a postura de ‘transformadora’ que acabei adquirindo no decorrer do curso”.

Por conseguinte, Maria nos contou sobre sua participação do Technovation, evento que estimula o envolvimento de garotas frente às tecnologias atuais. Ela ajudou a desenvolver um aplicativo de ajuda social, que beneficia a àrea da saúde. Apesar de não ter vencido o prêmio principal, Maria descreve que esse evento a ajudou a “pensar fora da caixa”.

 

Nosso papel

 

Assim como no caso da Maria Vitória, a qual dizia que “antes de entrar na Quíron não sabia muito o que iria fazer”, nosso objetivo é fazer com que nossos jovens percebam os diversos caminhos que podem ser tomados e a importância do protagonismo para não apenas mudarem a si mesmos, mas para que contribuam com a sociedade de forma prática.

Caso queira sentir os benefícios causados pelo protagonismo, conheça nossa formação Jovens Protagonistas clicando aqui.

Até a próxima!

Gostou? Curta, compartilhe e comente!